site-verification: 86806e3d5693e11e4ba9d61921653adb A Historia da cultura Sneaker onde tudo começou MSNKS | BR - MEUSNEAKER | BR

Header Ads

A Historia da cultura Sneaker onde tudo começou MSNKS | BR

Estando em alta ou melhor no "Hype" nos dias de hoje os "sneakershead" vem atraindo cada vez mais o publico jovem no brasil, mas essa historia começa bem antes lá em NY, o termo "Sneaker" é uma palavra de origem inglesa que significa "tênis". O criador dessa palavra foi o americano Henry Nelson, um publicitário da N.W Ayer and Son. Ela deriva do verbo sneak que significa "enfiar-se, escapar, esquivar-se,  Esta nomenclatura é compatível com a cultura snekaer pois, graças à sola feita de borracha dos tênis, as pessoas podiam andar, esquivar e escapar sem fazer barulho. O tênis deu essa característica ao andar e, assim, o nome foi associado à função: sneaker. 
O princípio dessa subcultura se deu nos Estados Unidos, em meados dos anos 80, a partir do surgimento do movimento Hip Hop que foi responsável por incluir em seu visual 'Fresh' (descolado) tênis esportivos, mais precisamente, tênis para jogar basquete.
Fãs seguram seus Adidas durante Show do grupo Run Dmc
A adesão dos tênis pelos DJs, rappers e MCs foi o que causou o surgimento da cultura Sneaker entre os jovens da periferia de NY, que viam no Hip Hop a identidade que não tinham encontrado até então.
BOOM! A partir daí os tênis dos ídolos do basquete deixaram de ser vestidos somente nas quadras e passaram a ser usados nas ruas.

"My Adidas" clipe de 1986 promocional da adidas USA com Run Dmc


Adidas x Run Dmc Collab Clássica
Já no hip hop o sneaker aparece com o  grupo Run DMC foi o expoente da cultura sneaker no hip hop. Os integrantes adoravam o tênis adidas Superstar e o utilizavam com frequência. Por causa disso, lançaram a música “My Adidas”, que teve um sucesso retumbante. Depois, vieram vários outros músicos que carregaram consigo o estilo até os dias atuais, como Jay-Z, 50 Cent e Pharrell Williams.
Run Dmc e os seus clássicos Adidas
Sneakerhead são aqueles que se identificam com a cultura urbana sneaker. Esses indivíduos possuem um apreço muito grande pelo modo de vida e pelo significado que os modelos de calçados são capazes de transmitir. Existem aqueles que preferem colecionar pares de diferentes tipos e outros gostam de um determinado modelo ou marca. As formas de expressar o carinho e a afetividade que possuem são variadas. O que há em comum é a admiração por essa cultura.

Os tênis utilizados pelos sneakerheads, no começo, eram criados com o objetivo de atender exclusivamente as necessidades dos atletas de alta performance, como era o caso de Michael Jordan e de tantos outros jogadores de basquete, por exemplo. Com o decorrer do tempo, eles passaram a estar mais presentes nos pés dos rappers e no vestuário de pessoas comuns.
Nike, adidas e Reebok são as marcas mais famosas. Fizeram modelos de tênis exclusivos e edições limitadas, firmaram parcerias milionárias com artistas e esportistas, além de influenciarem diversos jovens ao redor do mundo. O domínio dessas marcas permanece intacto até hoje.
Os tênis mais caros são aqueles que carregam consigo um valor de exclusividade. Esses calçados são feitos muitas vezes em parceria com artistas e esportistas e entregam a experiência sobre um determinado tema ou evento. Eles também podem ser lançados em edição limitada, reduzindo ainda mais a chance de obtenção do item, tornando-o raro. Mas não é só de calçados caros que a cultura sneaker perdura por tantos anos. Uma forma de praticá-la sem gastar tanto dinheiro é personalizar o calçado com pinturas e outras inovações desenvolvidas pela própria pessoa. 
Já no Brasil a cena surgiu por meio de um dentista la em 2005, Se você acha que no Brasil isso não existe, está enganado. O dentista Ricardo Nunes foi o precursor do estilo no Brasil, com um blog de calçados de sola de borracha ainda em 2005. A paixão virou trabalho e, hoje, a SneakersBR se tornou uma revista e uma agência de conteúdo. De acordo com o portal Meio e Mensagem, as marcas exploram cada vez mais o tênis como plataforma de comunicação, ampliando a construção de narrativas no Brasil.


Nenhum comentário